MENSAGEM DE ANO NOVO

MENSAGEM DE ANO NOVO

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

GIGANTES E MOINHOS



GIGANTES E MOINHOS

São Gigantes!                          Ao invés da calma
São Moinhos,                           Do lar
São só moinhos!                      Enfrentas gigantes!

Rocinante                                Não vês
Avança sob o tropel                  Como devoram teu ar
De cascos                                Como rasgam teu tempo
Trôpegos.                                Em açoites de crime?
São Caminhos!                         Redemoinhos,
                                               Reles moinhos...
São Moinhos.                           Não vês... lutas
Rocinante                                Sozinho.
De quadros e de massas          Frágil                                       Ao ataque
Vanguarda das cavalarias         Empunho                                 Sobre as derrotas
Força tarefa                             Um breviário                            Avançando
Príncipe moderno.                    Igualitário.                               Meio Marx,
Contra o que se atira,               Viceral luta                              Meio Cervantes:
Delirante figura?                      Contra a propriedade                CHE / Quixotes...
Não vê que são moinhos?         Das coisas e gentes.
                                                                                                       Talvez
Cavaleiro alucinado,                 Ao ataque!                               Por não existirem
Vê damas                                 O Sol nascente                        Como antes
Em simples estalajadeiras        Tinge as nuvens:                     Que como moinhos
Pensa ver senhores                  Nosso estandarte                     Ainda se disfarcem
Em deserdados pastores.          Móvel.                                     Aqueles letais gigantes.
Vê inimigos                              São moinhos
Em pacíficos moinhos.              Só moinhos                              São moinhos
                                               Moi                                          São gigantes
Delírio de malária:                    Mó
São moinhos.                           Moi os sonhos                          Mas... agora?
Chamas da paixão:                   Rede                                        Agora!
São caminhos                          Moinhos                                   Mais Quixotes
Inteiros                                               Rodopiam e embriagam                        Mais amantes
Humanos                                 Feito efeito de vinho                Mais mortais
Tangíveis; e não                                                                     E delirantes.
Estrada.                                   Porque lutas?
De atalhos fáceis:                    Porque tamanho esforço           São moinhos!
Aparências!                              Se eles já venceram?               São só gigantes!
De onde tiraste a idéia
De cavalaria andante?

Nenhum comentário:

Postar um comentário