PONTO DE PARTIDA

PONTO DE PARTIDA

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Programa Atitude em Floresta ainda sem solução de funcionamento


Com praticamente dois meses de paralisação, ainda não se tem qualquer providência no sentido de fazer retornar as atividades do Programa Atitude em Floresta.

O Programa foi criado pelo Governo do Estado e instalado no município em parceria com a Prefeitura Municipal de Floresta.

Dos recursos financeiros previstos para o funcionamento do programa, cerca de 85% (oitenta e cinco por cento) provém do Governo do Estado, enquanto que a Prefeitura complementa com os 15% (quinze por cento) restantes a título de contrapartida.

No entanto, o Governo Estadual já não passa o recurso desde janeiro de 2016, e por sua vez a Prefeitura não deposita a contrapartida desde fevereiro de 2016.

O gerenciamento do Programa é feito pelo Instituto da Juventude, instituição contratada a partir de processo licitatório municipal, a qual administra e aplica os recursos conforme os requisitos estabelecidos pelas normas que regem o programa.

De acordo com Libânio Neto, Gerente Administrativo e Financeiro do Instituto da Juventude, "O Instituto vinha fazendo de todo o possível para manter o funcionamento e a qualidade dos serviços, mesmo sem os repasses desde fevereiro, onde se buscou priorizar a folha de pessoal e o pagamento dos fornecimentos de alimentação, material de limpeza, higiene, além de combustível, locação de veículo, entre outras despesas necessárias à execução dos serviços do Programa, sendo que a situação entrou em colapso total em finais de maio, ocasionando a decisão de a partir de 1º de junho paralisar as atividades. Até o presente momento não temos nada de oficial sobre a retomada das atividades e a quitação dos repasses devidos, apenas informações extra-oficiais de que estão resolvendo".

Avaliando os impactos dessa paralisação, Libânio Neto, comenta que "os prejuízos são imensos quando se concretiza uma interrupção nos serviços de um programa importante como esse, que já havia se consolidado em Floresta e região, pois o mesmo existe desde 2011,e todas às vezes que se paralisa (e essa é a quarta paralisação que sofre o programa), quebra todo o processo de acompanhamento e de recuperação dos usuários, os quais retornam a intensificar o uso do álcool e outras drogas, gerando também um descrédito perante os familiares e a opinião pública. São diversas ações de prevenção e recuperação que deixam de ser realizadas numa situação como essa".

Acrescenta, Libânio Neto que "além do impacto negativo diretamente causado em relação aos usuários e seus familiares e perante a opinião pública, tem a situação dos funcionários que desde maio não recebem qualquer remuneração, o que causa uma profunda incerteza e aprofunda também a situação de crise econômica dos mesmos e seus familiares. Além dos funcionários sem receber, temos as empresas que forneceram os produtos e também se encontram sem receber. Por outro lado, tem ainda o recolhimento de diversos impostos que encontram-se em atraso e o que mais agravante é que chegou-se ao ponto crítico de atraso no pagamento de aluguel do espaço em que funcionava o Centro de Acolhimento, bem como a falta de pagamento de água, luz e outros serviços, causando o corte do fornecimento de energia".

Por fim, Libânio Neto, dirige um apelo ao Governo do Estado e a Prefeitura Municipal, no sentido de providenciarem a solução dessa situação, viabilizando o retorno do funcionamento do Programa Atitude, onde expressa que "se faz necessário resolver o mais rápido possível essa situação para que possamos voltar às atividades. Um programa como esse não pode ser relegado, tem que ser priorizado pois trata-se do atendimento à pessoas em situação de vulnerabilidade e de risco pessoal e social e, cuidar das pessoas é a principal obra que um governante pode realizar".

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Instituto Raízes é destaque na Câmara Itinerante realizada no Vulcão

Crianças e adolescentes do Projeto de Oficinas de Percussão Afrobatuque

Na última terça-feira dia 05 de julho de 2016, realizou-se na quadra poliesportiva do bairro do Vulcão, mais uma sessão da Câmara Itinerante, organizada pela Câmara de Vereadores de Floresta.

Na oportunidade os vereadores presentes ouviram de populares algumas reivindicações e solicitações, bem como puderam sentir de perto um registro sobre a realidade da comunidade.

Já na abertura dos trabalhos, um destaque todo especial para o Instituto Cultural Raízes que apresentou as crianças e adolescentes do Projeto de Oficinas de Percussão Afrobatuque, que é mantido pelo Instituto e que conta como  instrutores, jovens integrantes do Maracatu Afrobatuque de Floresta.

O projeto atende em média 60 crianças e adolescentes da comunidade e de outras localidades da cidade de Floresta/PE.

Libânio Neto, Diretor Presidente do Instituto Raízes, falando aos Vereadores
Abrindo as falas dos representantes da comunidade, o Diretor Presidente do Instituto Cultural Raízes, Libânio Neto, destacou a importância da realização da Câmara Itinerante e, relatou todo o trabalho realizado pelo Instituto Raízes no âmbito da Cultura, da conscientização e da cidadania, bem como as ações realizadas em parceria com o Instituto da Juventude, que proporcionaram uma significativa mudança na comunidade, as quais estão expressadas nos grupos culturais, na escolinha de futsal, na realização de oficinas de artes, nos mutirões de manutenção da quadra e da revitalização da praça, proporcionando um ambiente mais humano e mais digno de se viver.

Libânio Neto ainda destacou que hoje, o Bairro do Vulcão é sem sombra de dúvidas o bairro popular com menor índice de violência e criminalidade de Floresta e, que essa conquista tem relação direta com as ações desenvolvidas pelo Instituto, más sobretudo, pelo entendimento da maior parte da população, dos pais e mães, das crianças, adolescentes e jovens que estão entendendo a importância desse trabalho inovador e único em Floresta e em toda a região.