PONTO DE PARTIDA

PONTO DE PARTIDA

sexta-feira, 24 de março de 2017

Estudantes reivindicam melhorias em Escola Estadual de Floresta/PE

Estudantes reivindicam melhorias na EDAF

Nesta sexta-feira dia 24 de março de 2017, estudantes do Ensino Médio da EDAF-Escola Estadual Deputado Afonso Ferraz, do município de Floresta/PE, aproveitaram a visita do Governador do Estado (por ocasião da inauguração da quadra poliesportiva da unidade escolar) e, apresentaram uma pauta de reivindicações.

Entre as reivindicações dos estudantes do Curso Normal Médio, se destacam:
- salas climatizadas;
- materiais didáticos específicos para o curso;
- refeições de qualidade;
- talheres adequados.

Os estudantes buscaram chamar a atenção do Governador, no momento em que o mesmo estava fazendo seu discurso, no entanto, não lograram sucesso. Ao término do evento os estudantes começaram a gritar no intuito de serem notados(as), quando obtiveram a atenção de representantes da comitiva governamental.

Estudantes da EDAF entregando pauta de reivindicações a representantes do Governo
Ainda na saída da comitiva, os estudantes tentaram mais uma vez (sem sucesso) chamar a atenção do Governador.

Esse momento motiva algumas reflexões que considero importante destacar:

Em primeiro lugar, quero parabenizar a iniciativa dos(as) estudantes do Normal Médio da EDAF, de buscarem reivindicar melhorias nas condições de ensino, pois a realidade atual das escolas (em sua maioria) não possibilitam o aprendizado adequado.

Em segundo, é lamentável a falta de habilidade política do Governador, quando se nega a dar atenção aos estudantes. Não custaria nada dar uma pausa em sua fala e garantir que ao término do evento escutaria as reivindicações.

Em terceiro, de nada adianta construir espaços físicos em unidades escolares, virando as costas para os que são os mais importantes, os(as) alunos, as pessoas.

A escola não é unicamente o espaço físico, é sobretudo o ser humano que nela está, estudantes, professores, gestores, trabalhadores em geral.

De nada adianta uma "educação de estatísticas" em detrimento de uma educação para a vida, que estimule a capacidade de aprendizado e contribua para uma formação cidadã.

quarta-feira, 8 de março de 2017

8 DE MARÇO - DIA INTERNACIONAL DA MULHER



A todo instante devemos nos sentir convocados a refletir sobre a Mulher.
A Mulher que na sociedade em que vivemos ainda sofre imensamente com as discriminações e as explorações em casa, no trabalho e até mesmo nos grupos que compõem a chamada sociedade organizada.

Vista na maioria das vezes como símbolo ou objeto sexual, sendo vítima do extremo machismo que desrespeita e agride, ou ainda da selvageria dos que violam, estupram e matam.

Ela ainda é vista por alguns como frágil, muitas vezes desprezada, esquecida e marginalizada por uma estrutura social injusta e desumana.
No passar dos séculos e principalmente das décadas mais recentes, as mulheres têm buscado, e conquistado espaços significativos na sociedade, ocupando funções e desenvolvendo atividades antes reservadas apenas aos homens.

No entanto, tudo isto ainda é insuficiente, pois, não se trata de (na visão machista) “dar espaço às mulheres”, como se fosse uma concessão dos homens ou da sociedade, e não como um direito legítimo enquanto ser humano, conquistado através de muitas lutas.

Para que haja na verdade o respeito aos direitos da mulher enquanto pessoa e ser humano que é, teremos que ir muito além dos limites atuais, romper com as amarras do conservadorismo e da discriminação, criados desde os primeiros séculos, destruir as injustiças existentes nesta sociedade, vencer nossos preconceitos enraizados na nossa formação e impregnados em nossa cultura.

A plenitude desta conquista virá  com o surgimento de uma sociedade, baseada na justiça, na igualdade, na  solidariedade e na democracia; onde o homem não veja na mulher  apenas o objeto de satisfação dos seus “desejos”, que seja capaz de conviver com a mulher como uma companheira e não como escrava ou empregada; um novo homem capaz de amar, capaz de expressar os gestos mais puros e sinceros; quando a mulher decidir que não deve ser usada, que não deve ser peça descartável, que não deve se vender ou submeter-se, que deve lutar e exigir o reconhecimento de seus valores; quando homem e mulher compreenderem que todos devem ser iguais em direitos e deveres, e que um não é superior ao outro.

Somente assim, com uma mudança total, viveremos o nascimento de uma Nova Mulher, verdadeiramente Livre, Independente e Feliz.

Uma saudação especial a todas as mulheres, mães, esposas, amantes, companheiras, guerreiras, guerrilheiras, a estas Marias/Mulheres que são “um dom, uma certa magia, uma força que nos alerta... uma mulher que merece viver e amar como todas as pessoas do planeta”.

Até a vitória sempre!!

Mulher!!