MENSAGEM DE ANO NOVO

MENSAGEM DE ANO NOVO

sexta-feira, 24 de março de 2017

Estudantes reivindicam melhorias em Escola Estadual de Floresta/PE

Estudantes reivindicam melhorias na EDAF

Nesta sexta-feira dia 24 de março de 2017, estudantes do Ensino Médio da EDAF-Escola Estadual Deputado Afonso Ferraz, do município de Floresta/PE, aproveitaram a visita do Governador do Estado (por ocasião da inauguração da quadra poliesportiva da unidade escolar) e, apresentaram uma pauta de reivindicações.

Entre as reivindicações dos estudantes do Curso Normal Médio, se destacam:
- salas climatizadas;
- materiais didáticos específicos para o curso;
- refeições de qualidade;
- talheres adequados.

Os estudantes buscaram chamar a atenção do Governador, no momento em que o mesmo estava fazendo seu discurso, no entanto, não lograram sucesso. Ao término do evento os estudantes começaram a gritar no intuito de serem notados(as), quando obtiveram a atenção de representantes da comitiva governamental.

Estudantes da EDAF entregando pauta de reivindicações a representantes do Governo
Ainda na saída da comitiva, os estudantes tentaram mais uma vez (sem sucesso) chamar a atenção do Governador.

Esse momento motiva algumas reflexões que considero importante destacar:

Em primeiro lugar, quero parabenizar a iniciativa dos(as) estudantes do Normal Médio da EDAF, de buscarem reivindicar melhorias nas condições de ensino, pois a realidade atual das escolas (em sua maioria) não possibilitam o aprendizado adequado.

Em segundo, é lamentável a falta de habilidade política do Governador, quando se nega a dar atenção aos estudantes. Não custaria nada dar uma pausa em sua fala e garantir que ao término do evento escutaria as reivindicações.

Em terceiro, de nada adianta construir espaços físicos em unidades escolares, virando as costas para os que são os mais importantes, os(as) alunos, as pessoas.

A escola não é unicamente o espaço físico, é sobretudo o ser humano que nela está, estudantes, professores, gestores, trabalhadores em geral.

De nada adianta uma "educação de estatísticas" em detrimento de uma educação para a vida, que estimule a capacidade de aprendizado e contribua para uma formação cidadã.

Um comentário: