PONTO DE PARTIDA

PONTO DE PARTIDA

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

Meu sentimento é de Tristeza e Indignação


Não há como negar ou tentar minimizar o impacto da perda de uma vida humana, especialmente quando se trata de alguém tão especial, com a qual aprendemos a conviver e conhecer o que de melhor existia em sua personalidade.

Estar na última despedida e ver o sofrimento de familiares e amigos, causa uma dor e um profundo sentimento de impotência diante de toda a trágica situação.

Sou alguém que já experimentou duras perdas, entre elas as mais significativas que foi meu pai e minha mãe e, há tempos não sentia esse gosto amargo de um adeus que só pode ser dado em pensamentos.

Quem teve a oportunidade de conviver com Mônica, sabe o quanto era uma pessoa maravilhosa e cheia de vida e o quanto sua presença fazia bem a todos(as).

A tristeza de sua partida inesperada e repentina, só poderá ser substituída pelas recordações dos melhores momentos dela entre nós.

Uma fatalidade que não é fruto do destino, nem tampouco vontade de Deus, como escutei de algumas pessoas, que com toda boa vontade, tentam consolar aos que choram.

A explicação de uma bactéria que causou infecção generalizada, poderia por fim ao assunto e colocar um ponto final, como que uma explicação para a inoportuna fatalidade.

No entanto, me disponho a fazer algumas breves reflexões ou indagações (a partir das informações que me chegaram), sem querer atribuir culpa ou responsabilidade a quem quer que seja.

Me pergunto se nos primeiros atendimentos hospitalar recebidos, houvesse tido um caráter mais investigativo das causas prováveis diante dos sintomas apresentados: dores fortes, vômito, diarréia, febre alta. Se não haveria alguma chance de salvar sua vida?

Me pergunto se na estrutura hospitalar houvesse laboratório e equipamentos adequados a exames de urgência, que pudessem identificar o grau da infecção. Se não haveria alguma chance de salvar sua vida?

Me pergunto se na unidade hospitalar local, assim como em Arcoverde (para onde foi encaminhada), houvesse um médico cirurgião de plantão. Se não haveria alguma chance de salvar sua vida?

Me pergunto, ao final, qual o valor que tem uma vida humana? Porque Mônica, assim como outras Mônicas por esse país afora, não tiveram a sua disposição as condições adequadas para um atendimento qualificado. Se não haveria alguma chance de salvar sua vida?

Indignação é o sinônimo dessa sensação de medo e impotência, que o sistema público de saúde causa a todos nós num momento como esse.

Reitero, não estou atribuindo culpa ou responsabilidade a ninguém individualmente, más a um sistema, que se não for revisto e reestruturado, causará dor e mais dor, para inúmeras famílias.

Meu desejo apenas, é de que houvesse uma estrutura de saúde pública adequada a salvar vidas, ou a pelo menos dar uma chance/esperança de que não se percam vidas tão jovens e tão valiosas.

O bem mais precioso no mundo é a vida humana, para a preservação da qual, não deveria haver limites, dificuldades ou obstáculos.

É o que penso!    

Nenhum comentário:

Postar um comentário